deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 28.10.09 às 14:32link do post | favorito

       Decorriam os anos 80 e como todo o adolescente que se preze (é verdade… sou mesmo velho!), procurava as novidades musicais da época. Tinha uma tara monumental por uma compilação musical que se chamava Max Mix. Comprava tudo o que era cassete. Os discos de vinil esses, não os podia adquirir devido ao elevado custo dos mesmos e porque na altura era um teso dos grandes (não muito diferente dos dias de hoje!)! Dinheiro era uma palavra que eu pronunciava pouco, chegando mesmo a deixar de saber escrevê-la! Os anos passaram e eu ouvia repetidamente as mesmas cassetes, que teimavam em encravar no leitor… Um certo dia e graças ao meu charme irresistível, conheci aquela que fora a minha primeira namorada: a Marie. Foi amor a primeira vista. Era uma linda menina de um metro e sessenta e cinco de altura, olhos azuis, cabelo loiro e com um corpo de fazer inveja a qualquer miúda… a namorada ideal (não havia outra!). Fizemos juras de amor eterno. Sempre tive uma concepção do “eterno” um pouco diferente das mulheres. Ainda não percebi muito bem porquê que o sexo feminino quando fala em eterno, quer dizer “para sempre”, “até que a morte nos separe”… Enfim, coisas de gajas. Assinalamos o nosso “noivado” não com uma vulgar troca de aliança mas sim com intercâmbio de presentes. Como eu era pobre, brindei-a com um bom gelado, daqueles com três bolas e tudo, e ela com todo o seu amor, presenteou-me com um casaco de couro juntamente com o meu já tão ansiado Max Mix. Amava a Marie. Era uma rapariga inteligente, que me compreendia e que sabia falar-me ao coração… Finalmente tinha o meu primeiro vinil. Foram horas infindáveis a ouvir o disco. Sempre que o mesmo tocava, lembrava-me do meu amor, da minha alma gémea. O tempo foi passando e a Marie deixou de me comprar mais discos. Faltava-me o Max Mix, 5,6,7 e por aí fora. A Marie revelou-se uma pessoa fria e egoísta. Deixei de a amar por razões óbvias.


       Hoje em dia os meus discos estão na arrecadação, a espera que os volte a dar a vida que eles tanto merecem. Quanto a Marie, não sei o que é feito dela, mas adorava reencontra-la, até porque ando a namorar aí um CD porreirinho…

 

sinto-me:

Desbrida a 28 de Outubro de 2009 às 23:46
sem dúvida de morrer a rir, este post está 5estrelas agora reza para que a Marie não descubra o teu blog!!Quem sabe não guarde remorsos e ofereça o dito cd que andas a namorar A música é mesmo anos 80 mas uma coisa é certa foi uma época de boas colheitas em tudo!! Há que defender o pessoal que nasceu nessa época jitos

Justiceiro a 29 de Outubro de 2009 às 12:53
Quem me dera reencontrar a Marie ...
O meu amor já nunca o poderá ter, mas a minha amizade quem sabe!! Sou muito menino para lhe dar uma segunda oportunidade , mas apenas em troca do seu verdadeiro amor (CD) (o meu amor é desnudado de qualquer interesse!)...
Colheitas? Mas como, estás a referir-te ao vinho!? É verdade sim senhora, uma década de grande vinhaça (era disto que te estavas a referir, não era!?)!
Tenho dito (viva os anos 80!)

mais sobre mim
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
15
16
17

18
19
20
23

25
26
27
29


pesquisar
 
PlanetaPortugues: O motor de busca de Portugal


.

Assista ao documentário

"O Mundo Perfeito de Jeová"

clicando em baixo