deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 17.08.11 às 19:23link do post | | | favorito

 

Depois de alguns acontecimentos (recentemente fui entrevistado pela agência noticiosa Lusa para prestar o meu depoimento sobre a descriminação exercida pelas Testemunhas de Jeová aos seus ex fiéis- entre outros- mas sobre isso, falarei mais tarde, noutro post), achei que não faria mais sentido manter-me no anonimato e que todos os que lêem este blogue, deveriam saber na verdade, quem se esconde por trás do mesmo. Foi quase há 2 anos que aceitei o repto de alguns amigos e familiares de criar este blogue. No início não sabia quanto tempo o mesmo ficaria no ar, por achar que nunca teria matéria para escrever… Os dias, os meses foram passando e verifico agora que não escrevo mais, por falta de vontade da minha parte.

 

No início desta aventura mal sabia qual nome a dar a este blogue, não acreditando muito na sua continuidade. Mas veio-se a revelar totalmente o oposto. Ao fim de pouco mais de um ano de existência, vi este mesmo espaço ser destacado pela equipe do Sapo (aqui), dando-me assim algum animo para continuar. Este lugar serve para mim como uma espécie de diário pessoal, onde falo de tudo um pouco, mas geralmente em assuntos do meu interesse e que de uma ou outra maneira me marcam ou marcaram... Quem é mais observador, verificou que nos primeiros tempos de vida do blogue, eu falava de um amigo (o meu melhor amigo), e de algumas das suas “façanhas” com membros da sua família… Recordarão as ocasiões que comento o tratamento que lhe é dado pelos seus pais, irmão e todos os seus amigos de infância… Relembrarão que o principal tema de conversa do meu blogue é religião. Decidi que hoje contaria toda a verdade sobre essa pessoa. Não sei muito bem porque ainda não o fiz. Talvez por vergonha ou medo de o prejudicar ainda mais…

 

Na realidade quando me refiro a esse amigo, estou a falar da minha pessoa. Desde a minha nascença e até aos trinta e três anos de idade, fiz parte de uma dominação religiosa chamada “Testemunhas de Jeová”. Cresci no meio de uma doutrina bastante severa, onde tudo é feito para não haver lugar a dúvidas, e onde as perguntas não são bem aceites. Desde a minha mais tenra infância fui obrigado a aceitar tudo o que ouvia como sendo a única verdade suprema, vinda directamente de Deus através do seu representante aqui na terra. Esse representante dá pelo nome de Corpo Governante (conjunto de pessoas sediadas em Brooklyn, Nova York, com autoridade mundial sobre todas as Testemunhas de Jeová). Não era para mim particularmente difícil acreditar em todas as doutrinas Jeovistas, visto estar submetido a elas desde sempre e não conhecer mais nada a não ser as publicações editadas pela Watchtower, ou Torre de Vigia (designação legal das Testemunhas de Jeová), tais como as conhecidas revistas “A Sentinela” e “Despertai” entre outros. Qualquer outra leitura com conotação religiosa ou filosófica é simplesmente proibida, podendo dar origem a desassociação (expulsão).

 

Os anos foram passando e cada vez estava mais familiarizado e enraizado com aquilo a que as Testemunhas de Jeová chamam de “A Verdade” (conjunto de crenças dadas por Deus ao seu povo para os orientar). Tive uma vida bastante activa no seio deste grupo religioso. Todas as Testemunhas de Jeová são orientadas, compelidas a preencherem mensalmente um certo número de horas na chamada “pregação” de porta a porta, e eu não era excepção. Se tal requisito não é atingido durante um período determinado (poucos meses), os prevaricadores são rotulados como estando fracos na fé, como sendo presas fáceis de Satanás e nos casos onde a pessoa não atinge a carga horária imposta durante muitos meses consecutivos, então essa mesma já era tratada como estando debaixo do domínio do Diabo… Não querendo pertencer a nenhum destes grupos, todos os domingos, fizesse sol ou chuva, lá ia eu pregar a palavra do Todo-Poderoso. Como todas as Testemunhas de Jeová eu tinha o meu tempo preenchido.

 

 À Segunda-feira estudava com os meus pais um pequeno livro editado pela Sociedade Torre de Vigia. Na Terça-feira voltávamos a estudar o livro mas desta vez com um pequeno grupo de outras Testemunhas. A duração dessa reunião era de uma hora. Na Quarta-feira, os meus pais e eu, recapitulávamos em casa, o que iríamos ouvir na reunião de quinta. Quinta-feira reunião de duas horas… Sexta era o único dia em que não tínhamos de estudar pois não havia reunião (culto) no Sábado. Chegava o Sábado e por vezes eu tinha de ir pregar, pois ainda não tinha atingido as horas necessárias estipuladas pela Sociedade. Mas Sábado também era o dia de estudarmos em família a revista A Sentinela. Domingo é o dia mais importante para todas as Testemunhas de Jeová. De manhã saída obrigatória para pregar “as boas novas do reino” (porta a porta), de tarde reunião de duas horas juntamente com todos os irmãos de fé. Escusado será dizer que toda a Testemunha de Jeová cuidadosa, tem o seu tempo completamente absorvido. Toda esta maneira de proceder tem uma razão de ser. Estando ocupados com as supostas “coisas sagradas”, não teríamos tempo para pensar ou de nos distrairmos com as coisas “inúteis do mundo”. A repetição contínua, e prolongada das mesmas palavras e dos mesmos termos, são conhecidas como técnicas de controlo mental. A minha mente foi formatada desde a mais tenra idade para acreditar cegamente em tudo o que ouvia. Durante anos, semanas e de uma forma diária, os meus ouvidos perceberam sempre a mesma realidade, de uma maneira consecutiva sem ter a hipótese de poder conhecer outros factos.

 

Os anos foram passando e a minha fé foi aumentando até chegar ao ponto de me baptizar. O gesto do baptismo entre as Testemunhas de Jeová é encarado como uma oferta a Deus, a dedicação total a uma Divindade Superior. A partir daquela data a minha vida pertencia a Jeová. Só bem mais tarde é que percebi o quão errado eu estava… A minha existência não foi dedicada a Deus mas sim a uma organização sectária e tirânica. Toda a minha vida foi regulada ao mais ínfimo pormenor pelas doutrinas Jeovistas. Tudo o que eu fazia não podia ser contrário às leis de Deus (leia-se da organização), sob pena de estar a pecar contra Ele, e isso era o que mais temia…Hoje com algum recuo, verifico como essa seita controla e consegue de uma forma simples manobrar as vidas dos seus súbditos. Nada é deixado ao acaso. Além das “mil e uma” regras de conduta, chegam ao cúmulo de controlar a maneira de vestir, ou até mesmo um simples corte de cabelo.

 

Como pode um povo com imensas proibições (ver aqui) dizer e fazer crer que são felizes? Como pude eu estar durante mais de 30 anos sujeito a tais regras sem nunca questionar nenhuma e achar que tudo era normal e para o meu próprio bem?

 

Talvez para fugir da educação rigorosa dos meus pais e como é hábito na grande maioria dos jovens Testemunhas de Jeová, casei muito cedo. Foi com apenas 21 anos que dei o nó com outra (ainda mais) jovem, também ela Testemunha de Jeová (como não poderia deixar de ser!). Não estava minimamente preparado para dar esse salto na minha vida. Ao fim de 12 anos e depois de uma fase muito complicada, decidimos por término ao nosso enlace. Como o divórcio não é permitido entre as Testemunhas de Jeová, fui desassociado. De nada serviu os mais de 30 anos de bons e leais serviços em favor da Watchtower. Passei de um dia para o outro e como se diz na gíria, de (literalmente) “bestial a besta”. Todos o que eu conhecia até a data, passavam por mim agindo como se eu fosse um mero estranho. Aqueles que foram até ali meus únicos amigos (as Testemunhas de Jeová são ensinadas a não fazerem amizades fora do seu circulo, tratando todos os que não são da sua crença como “pessoas do mundo”), simplesmente não me reconheciam e para eles, eu sou um adorador do diabo. Existia ainda aqueles que me olhavam com ar de superioridade e nojo. Todo este comportamento me incomodava e me magoava, mas mesmo assim, eu julgava que era o que havia a fazer, pois tal era a vontade de Jeová. Os meus pais embora nunca tivessem deixado de me falar (conforme ditam as regras Jeovistas) não estavam à vontade com a minha presença. O tratamento não era o mesmo. Nunca mais tive o prazer de ter uma refeição com eles. Desde que fui expulso, não sei o que é um almoço ao domingo (ou qualquer outro dia), a volta da mesa, discutindo de tudo e de nada (a vida faz-se destas pequenas coisas). Tenho saudades destes pequenos momentos…

 

Fui proscrito da seita porque não mostrei arrependimento e não quis voltar. Devido às suas leis internas, todos os membros da organização são obrigados a deixar de conviver comigo, afastando-se de mim, virando-me as costas, agindo como que se eu fosse possuidor de alguma espécie de doença contagiosa e qualquer tipo de contacto pode ser fatal. Um simples “olá” é tido como uma possível reconciliação e tal comportamento é passível de expulsão. Graças a essas leis não Bíblicas, saídas da cabeça de alguns iluminados, os meus próprios pais deixaram de ter um relacionamento e convivência normal e sadia comigo, tentando evitar-me ao máximo só falando comigo em casos pontuais. O culminar de todas essas “amorosas” leis internas, foi quando decidi casar e onde não pude ter o prazer da presença dos meus pais, nesse que foi para mim, um dia importante… 

 

Sentia-me culpado por ter deixado a verdadeira organização de Deus e por ter toda a gente contra mim. Estava sozinho, sem ninguém, sem família e sem amigos… Pensei seriamente em voltar para poder ter novamente um contacto normal com os meus pais, e os meus amigos…


Mais tarde conheci aquela que viria a ser a minha esposa. Foi com ela e graças a ela que consegui pensar de maneira diferente e ter outra visão do “mundo exterior”. Ela teve uma educação católica, com uns pais que sempre a apoiaram e que lhe proporcionaram tudo o que não tive. Ensinou-me o gosto pela leitura e pelo conhecimento. Como a área dela era a cultura, falava-me de temas que nunca tinha ouvido até a data. Gostava de lhe fazer perguntas e quase sempre obtinha as respostas. Ficava fascinado com as suas narrações sobre determinada matéria. Afinal, existia mundo fora da Organização de Jeová…


Por incrível que possa parecer, nunca na minha vida tinha lido um livro. Até a data a única literatura que lia era apenas os manuais editados pela Watchtower. Foi estranho contactar com um mundo que eu desconhecia. Comecei a descobrir um mundo novo, um mundo que me foi negado e escondido. Sempre me ensinaram que tudo era escrito para nos desviar da “verdadeira organização de Deus”, uma armadilha de Satanás o Diabo. Nunca a minha esposa me falou de religião, ou sequer criticou alguma vez as doutrinas Jeovistas (a não ser sobre as famosas transfusões de sangue). Sempre estive à vontade para acreditar (ou não) no que quisesse. Não existia portanto qualquer tipo de pressão por parte dela. Cada vez que o assunto era religião, quem tentava impor qualquer tipo de crença era eu. Embora tivesse sido desassociado, ainda acreditava cegamente que as Testemunhas de Jeová eram a única religião verdadeira. Mais de 30 anos de doutrinas Jeovistas não podiam ser apagadas de um dia para o outro… Recordo-me das inúmeras vezes que acordava sobressaltado, chorando sufocadamente por ter tido um pesadelo sobre o Armagedão (guerra de Deus onde 99,9% da humanidade será destruída e apenas as Testemunhas de Jeová serão salvas) e que Deus me iria aniquilar por ter abandonado a Sua organização. Ainda me encontrava sobre o domínio psicológico da seita.

 

Chegara o dia em que tinha de tomar uma decisão: voltar ou não. Fiz parte à minha mulher e aos meus amigos das minhas intenções de voltar para as Testemunhas de Jeová. Todos foram unânimes: “Se te irá fazer bem, talvez seja o melhor”. Como era possível aquelas pessoas que são diabolizadas pelas Testemunhas de Jeová, e tratadas como “os do mundo”, gente em quem não se pode confiar, pessoas que são usadas pelo próprio Satanás, recomendarem o meu regresso a uma religião que nem sequer elas acreditam? Não fazia sentido. Mesmo assim, tomei uma decisão: regressar.

 

Certo dia ao navegar na Net, decidi digitar o nome “Jeová”. Qual não foi a minha admiração quando verifiquei que existem um sem número de Sites dedicados ao tema. Muitos deles falavam de assuntos impensáveis aos meus olhos. Uns supostos erros da Torre de Vigia com encobrimento da mesma. Como ainda estava sobre influência das doutrinas Jeovistas, não acreditei em nada do que lia. Sabia que tudo o que estava ali, era apenas para denegrir a imagem das Testemunhas de Jeová, portanto uma mentira. Graças aos conselhos da minha esposa que costumava dizer que não se devia acreditar em tudo cegamente, partindo do princípio que tudo é mentira, sem primeiro verificar a veracidade de tais argumentos, decidi no dia seguinte voltar a Net.

 

O primeiro assunto que pesquisei foi sobre a ONU (Organização das Nações Unidas) e as Testemunhas de Jeová. Depois de um dia inteiro agarrado ao computador, verificando as informações, não podia acreditar no que lia. As Testemunhas de Jeová estiveram cerca de 10 anos ligadas a ONU. Nada haveria a dizer desse respeitável organismo internacional, criado para unir nações e apaziguar conflitos. Para a maioria das instituições religiosas, representa motivo de júbilo e orgulho. Mas não para as Testemunhas de Jeová. Elas são diferentes. Para os adeptos dessa denominação, um vínculo entre a sua sede e a ONU seria impensável, mais que isso, um insulto. Porquê? É simples: por décadas, os líderes da Torre de Vigia têm feito repetidos ataques morais à ONU nas suas publicações. Na verdade, tais ataques tiveram início em 1919, quando a ONU ainda não existia, mas a sua antecessora, a Liga das Nações, criada após a I Guerra Mundial. Essa atitude manteve-se após a II Guerra, com a criação das Nações Unidas. Durante todo esse tempo, a doutrina oficial das Testemunhas de Jeová, conforme ensinada pela sua liderança nos EUA, tem sido: a ONU representa a “fera cor de escarlate” retratada no livro bíblico de Apocalipse (ou Revelação, cap. 17, versículo 3), sobre cujo lombo se assenta uma meretriz. As Testemunhas crêem que tal “fera” simboliza o poder político reunido na ONU e a meretriz simboliza o poder religioso (em especial, a “cristandade”), aliado do primeiro. Para elas, a força de ambos origina-se do diabo, seu concebido e sustentador. Adjectivos como "repugnante", "detestável", "abominável"  e "blasfemo" foram repetidamente dirigidos à ONU desde a sua fundação, na literatura das Testemunhas de Jeová. Até mesmo a destruição desse organismo internacional por parte de Deus tem sido prevista e desejada por elas  durante décadas (segundo as suas crenças, as Nações Unidas haveriam de patrocinar, algum dia, uma agressão aos sistemas religiosos, culminando numa perseguição às próprias Testemunhas de Jeová). Diante desse quadro, era  normal que os adeptos da Sociedade Torre de Vigia reagissem a tal notícia com indignação e cepticismo. Se verdadeira, ela teria sérias implicações. A principal delas - a organização central das Testemunhas de Jeová teria traído cerca de 6 milhões de adeptos espalhados pelo mundo, por toda uma década.

 

Na minha pesquisa pelo mundo virtual da internet, sucederam-se em catadupa revelações até então inimagináveis. Quem das Testemunha de Jeová, teve conhecimento das falsas previsões desde o tempo de Charles Taze Russel (fundador da seita) para o Armagedão?


- Do envolvimento em ocultismo por parte dos líderes da Torre de Vigia, que acabaram envolvendo os demais adeptos por décadas a fio (o caso do espírita, Johannes Greber, entre outros)?

 

- Das crenças dos líderes da Sociedade em pseudo-ciências, bem como os seus ataques à medicina tradicional (vacinas, transplantes, uso de derivados de sangue, etc. expondo a vida das Testemunhas de Jeová desnecessariamente ao risco?

 

- Do perjúrio cometido na Bulgária, ao assinar um acordo com as autoridades daquele país em 1995?

 

- Do caso de mudança de cobrança pela literatura, cujo objectivo foi tão somente fugir aos impostos, depois de Jimmy Swaggart, um pastor de outra seita, apoiado pela Torre de Vigia judicialmente, ter perdido a sua causa em justiça?

 

- Da quebra de “neutralidade Cristã”, nos episódios envolvendo a “Declaração de Factos” e a vergonhosa carta a Hitler, bem como a aprovação de Rutherford (segundo presidente da sociedade Torre de Vigia), a compra de bónus de guerra, e o dia de oração em favor dos aliados da segunda guerra?

 

- Do caso de sonegação de impostos em França?

 

- Dos frequentes casos de pedofilia, ocultados pela Torre de Vigia? Etc., etc…

 

Durante trinta e cinco anos esconderam-me factos que só agora vim a descobrir. Senti-me traído, enganado e usado… Primeiro tentei verificar a veracidade de tais descobertas e só depois, tentei falar disso aos meus pais. Não queria que eles vivessem mais na ignorância. Tal escolha foi fatal para a minha pessoa. Fui intitulado de adorador do Diabo, mentiroso e de apóstata (termo usado a quem sai da organização por não apoiar as suas doutrinas).

 

Passaram-se meses de autêntico martírio. Só pensava numa coisa: como pude ser atraiçoado por uma organização que eu julgava ser a única representante de Deus? Sei que para alguns, será difícil abranger a dimensão de tal situação, mas foi toda uma vida que eu vi desperdiçada em nome de uma religião. Mais de 30 anos da minha existência foram perdidos a defender algo completamente dissimulado. Diariamente dava por mim a relembrar pormenores do passado dentro da seita, recordando as inúmeras vezes em que servi fielmente aquela organização. Não conseguia reter as lágrimas perante as descobertas diárias que ia fazendo nas minhas pesquisas. Todo o meu mundo a minha volta tinha-se desmoronado. Em quem acreditar agora? Sentia-me desprotegido e indefeso. Quem afinal tem a verdade? E Deus é mesmo Jeová? Fiquei com imensas dúvidas, e com um sem fim de perguntas. E agora, o que tenho de fazer e para onde tenho de ir?

 

Tive de reaprender a viver. Sempre que recordo esse período, comparo-me a um robot. Fui programado a pensar e a agir de uma determinada maneira. Mais de 30 anos de doutrinas castradoras fizeram de mim uma pessoa que não estava acostumada a pensar nem a fazer perguntas (afinal para quê, se todas as respostas estavam na literatura Jeovista). As minhas crenças ditavam toda a minha vida e eu era obrigado a obedecer as mesmas cegamente. Tive que ser reprogramado e aprender a viver em sociedade. Sabia que por exemplo se eu participasse numa festa de anos, Deus não me iria castigar por isso. Foi estranho festejar os meus próprios anos pela primeira vez aos 35 anos. Nunca ninguém me tinha cantado os parabéns. Foi um misto de alegria e tristeza… Lembro-me do meu primeiro acto para simbolizar a minha liberdade: comer uma rodela de morcela! Parece quase anedótico esta experiencia, mas para uma Testemunha de Jeová ingerir sangue é um pecado capital. Recordo-me que foi no São João, estava em cima da mesa algumas corricas de morcelas, olhei para as mesmas, peguei num palito e disse para a minha esposa: “já não tenho medo de comer isto”…

 

Todas estas descobertas fez com que gradualmente eu fosse mudando. Dei por mim a contemplar a vida de outra maneira e gostar da mesma de uma forma diferente, mais apaixonada. Aprendi que afinal é possível ter amigos fora da organização das Testemunhas de Jeová. Comecei a ler cada vez mais. Aprofundei o meu conhecimento sobre determinada matéria. Interessei-me por religião e hoje, graças as Testemunhas de Jeová e as suas doutrinas maldosas que visam apenas o medo e a repressão, deixou de fazer para mim sentido, a existência de qualquer tipo de Divindade. Acreditar na existência de um criador e defender algo superior ao homem, não tem mais cabimento. Sou um total defensor da evolução natural das espécies. Orgulhosamente apresento-me como Ateu.

 

Estimo toda e qualquer opinião, assim como também respeito toda e qualquer crença. Tenho sim repúdio por indivíduos que tentam impor algo a outros a qualquer custo, obrigando-os a aceitar as suas crenças como fazendo parte de uma suposta verdade suprema. Odeio fanatismos e enoja-me quem em nome da bíblia ou qualquer outro livro dito “inspirado” ousa amaldiçoar outros apenas e tão somente porque esses decidiram não acreditar no mesmo do que eles… Actualmente no meio de tantas certezas, existe uma que tenho como incontornável: fui Testemunha de Jeová por muitos e longos anos, mas sei que nunca mais lá voltarei nunca mais.

 

Hoje finalmente posso afirmar que sou livre e não estou preso a uma religião e seus líderes. O pavor de um qualquer cataclismo originado por um Deus não me mete mais medo. Não preciso seguir algum tipo de crença ou acreditar em algum Deus ou Deuses para ser detentor da moral e dos bons princípios.  Tudo que há de bom nas escrituras, como a regra de ouro, por exemplo, pode ser apreciado por seu valor ético, sem a crença de que isso nos tenha sido transmitido pelo criador do universo. 

 

Toda esta espécie de metamorfose não seria possível sem a cooperação de uma pessoa especial: a minha esposa. Foi ela que nos momentos mais difíceis sempre esteve do meu lado, apoiando-me sem mesmo talvez perceber muito bem até que ponto podia um homem estar tão dependente de uma religião. Foi a minha mulher que durante meses a fio aguentou os meus devaneios sobre as Testemunhas de Jeová. Foi a mesma que me viu triste, desesperado, desorientado e sem saber realmente o que deveria fazer, aconselhando-me sempre de maneira positiva. Foi ela que me “ergueu” e que tratou de me dar animo para recomeçar de novo. Graças a ela consegui enfrentar um dos piores momentos da minha vida. Mesmo depois de todas estas desventuras e sabendo o que realmente se esconde por trás da seita Testemunhas de Jeová, ela foi incapaz de os odiar ou até mesmo julgar. As atitudes da minha companheira ensinaram-me uma coisa: eu tinha de ser melhor que esses que se dizem “o povo escolhido de Deus”… Todos os que me rodeiam são unânimes: tudo isto tornou-me melhor enquanto Ser humano. Como costumava dizer o meu avô: há males que vêm por bem. Nada mais verdade…

 

Por tudo isto e por muito mais, obrigado. Amo-te.

{#emotions_dlg.batman} 

sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 07.08.11 às 00:39link do post | | | favorito

 

O Ministério Público do Ceará (Brasil) formalizou no dia 14 de Junho do corrente ano uma acção civil pública contra as “Testemunhas de Jeová” por prática de discriminação religiosa em relação aos seus ex-fiéis.


A procuradora Nilce Cunha Rodrigues tomou a iniciativa a partir de uma representação do funcionário público Sebastião Oliveira que, após ser expulso da religião, passou a ser discriminado por colegas de trabalho, amigos e parentes, incluindo a sua mãe, que seguiram as normas de conduta da Testemunhas de Jeová.

O Senhor Oliveira começou a frequentar o movimento religioso em 1998 e foi baptizado em 2001. Em 2009, por questionar alguns pontos doutrinários da religião, foi sumariamente expulso (ou desassociado segundo a terminologia Jeovista) da seita, passando a ser vítima de intolerância por parte dos seus ex-irmãos de fé.

A procuradora destacou que, pelos relatos do Senhor Oliveira, houve, “forma evidente”, uma atitude de desrespeito para com os “direitos fundamentais da dignidade humana, da igualdade da honra e da imagem, da liberdade de consciência e crença e da livre associação”. 

Ela observou que as Testemunhas de Jeová são incongruentes porque relacionam-se com pessoas de outras religiões para doutriná-las, batendo de porta em porta, mas não com quem deixa ou é expulso da seita. O ex-membro “passará a sofrer acções de hostilidade e rejeição pelo mesmo grupo que antes o acolhera quando era praticante de outra religião”.


Na avaliação da procuradora Nilce, o propósito das Testemunhas de Jeová é “infligir sofrimentos” aos ex-fiéis “como forma de punição pelo facto de se terem afastado dos ensinamentos que a organização considera como verdade transmitida directamente por Deus ao Corpo Governante (hierarquia máxima dentro da seita).  Disse que se trata de um caso de violação do artigo 5º da Constituição Federal segundo o qual todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza.


Ela pediu à Justiça que impeça os Jeovistas de proibir que os ex-membros convivam com os seus familiares. Nesse sentido, as entidades que representam a religião não poderão pregar por qualquer meio de comunicação, inclusive oral, a intolerância religiosa. Solicitou, também, a aplicação de uma multa diária de 10 mil Reais para cada caso de desobediência.

 

Aqui texto da acção

 

Em Portugal, muito brevemente, poderemos assistir a acções semelhantes a esta… Actualmente, ex-membros da seita despertaram para a dura realidade que é ter toda uma família destruída por doutrinas inquisidoras e sectárias, não aceitando suportar tal tratamento cruel, infligido por uma leitura erronea da Biblia, e com uma interpretação muito própria.

 

A comunicação social Portuguesa também começou a interessar-se por esta forma de ostracização (até agora pouco divulgada). Muitas Testemunhas de Jeová gostariam de abandonar o movimento, mas sabendo de serão rejeitadas pelos seus familiares, os mesmos mantêem-se sobre a alçada duma organização que não acreditam minimamente, mas deixando assim que a mesma lhes controle a vida. Brevemente trarei mais notícias sobre esta matéria…

 

Vídeo da reportagem com entrevista à procuradora

 

A revista “A Sentinela” de 1º de Março de 1997, p. 4, diz o seguinte:

 

“Os fundamentalistas anseiam o retorno das velhas certezas, e alguns deles lutam para que suas comunidades e nações voltem ao que, em sua opinião, são os alicerces morais e doutrinais adequados. Fazem tudo ao seu alcance para forçar os outros a viver em conformidade com um código moral e um sistema de crenças doutrinais "correctos". O fundamentalista tem a forte convicção de que ele está certo e os outros errados."

 

Em poucas palavras: um auto-retrato hilariante.

 {#emotions_dlg.batman} 


deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 23.07.11 às 01:39link do post | | | favorito

 

Falar sobre as Testemunhas de Jeová, é falar de um grupo quase que secreto e que muito pouca gente realmente conhece.

 

Todos nós temos esses indivíduos como gente cordial, educada e de trato fácil. Mas a realidade é bem mais complexa. Com certeza que existirá no meio Jeovista pessoas boas, mas estas mesmas deixam-se moldar por uma doutrina castradora que lhes comanda a vida ao mais ínfimo pormenor. A palavra “ínfimo” não é exagerada, pois a vida duma Testemunha de Jeová é regulada por um sem número de regras e ditames, desde de como agir no dia a dia nas mais diversas situações, passando pelo tratamento a dar aos que deixaram de pertencer à seita… Certas regras de conduta, vão até interferirem na própria vida privada e íntima dos fiéis, chegando a roçar algumas delas o ridículo…

 

Deixo aqui algumas interdições que as Testemunhas de Jeová têem como obrigação obedecer. A desobediência constante a alguns destes preceitos, pode originar a expulsão do prevaricador…


 


Proibido celebrar o dia da mãe


Proibido celebrar o dia do pai

 

Proibido celebrar aniversários


Proibido celebrar a véspera ou o dia de ano novo


Proibido celebrar o Natal


Proibido celebrar o Halloween


Proibido celebrar a páscoa


Proibido celebrar qualquer tipo de feriado

 

Proibido brindar


Proibido ser escuteiro

 

Proibido ir “a tropa”

 

Proibido ser policia

 

Proibido ter qualquer tipo emprego que obrigue o porte de uma arma

 

Proibido praticar artes marciais

 

Proibido caçar

 

Proibido ser voluntário em qualquer tipo de organização humanitária ou mesmo contribuir para essas mesmas organizações

 

Proibido unir-se a qualquer organização com laços ao Cristianismo


Proibido assistir as reuniões de turma

 

Proibido candidatar-se à presidente de turma

 

Proibido participar em festas ditas pagas (Natal, Páscoa, São João etc.) na escola

 

Não é proibido, mas é desaconselhado seguir estudos superiores

 

Proibido qualquer tipo de competição, mesmo no quadro escolar

 

Proibido o desporto a nível profissional


Proibido receber prendas de pessoas com laços ao espiritismo

Proibido saudar a bandeira


Proibido cantar o hino nacional


Proibido a filiação a um partido político e participar em campanhas partidárias.


Estritamente proibido votar nas eleições (seja elas quais forem), ou participar em referendos

 

Proibido doar sangue


Proibido aceitar sangue

Proibido armazenar seu próprio sangue antes de uma operação


Proibido comer alimentos com sangue


Proibido divorciar-se, a não ser em caso de adultério


Proibido atirar arroz em casamentos


Proibido dizer quando alguém espirra "Deus te abençoe" ou "viva " etc.

 

Proibido usar expressões tais como "Minha Nossa!", "Cruz”, “Credo!" etc.


Proibido dizer "que sorte" ou desejar a alguém que tenha sorte


Proibido dizer "foi o destino"


Proibido usar a expressão "eu adoro"

 

Proibido retribuir felicitações festivas (apenas um “obrigado” é permitido)

 

Proibido jogar na loteria

 

Proibido comprar rifas

 

Proibido uma mulher ocupar um cargo de responsabilidade dentro da seita

 

Proibido uma mulher rezar em voz alta na presença de homens, sem cobrir a cabeça


Proibido usar ou possuir uma Cruz


Proibido associar-se regularmente com não crentes


Proibido associar-se com membros expulsos ou que quiseram sair de livre vontade


Proibido falar com ex-Testemunhas de Jeová e nem um “olá” deve-lhes ser dirigido


Proibido processar outra Testemunha de Jeová

 

Proibido namorar com um não crente


Proibido casar com um não crente

 

Proibido entrar em igrejas quando estiver a decorrer alguma cerimónia religiosa


Proibido casar numa outra religião ou assistir a um casamento numa outra Igreja


Proibido assistir a uma cerimónia fúnebre de uma outra religião


Proibido estudar outros artigos religiosos, a não ser apenas os editados pela seita


Proibido ler informações contraditórias às doutrinas da seita


Proibido questionar qualquer doutrina do movimento


Proibido associar-se com vizinhos “do mundo” (leia-se que não pertencem a seita)

 

Proibido ser sindicalizado


Proibido a participação em greves ou actos políticos


Proibido a prática de ioga, ou qualquer tipo de meditação oriental

 

Proibido ler o horóscopo

 

Proibido ser hipnotizado

 

Proibido usar amuletos

 

Proibido contar histórias que envolvam “seres do além” (fantasmas, espíritos, etc.)


Proibido usar t-shirts de clubes de futebol ou mesmo da selecção

 

Proibido ser fã de algum artista (seja ele actor, cantor etc.)

 

Proibido ter pósteres de algum ídolo


Proibido certas posições no acto do coito


Proibido o sexo anal e oral

 

Proibido a masturbação

 

Proibido ver filmes eróticos

 

Proibido ver filmes pornográficos


Proibido o homem cumprimentar outra mulher com um beijo na face (mesmo no seio da seita)


Proibido ouvir música “Heavy Metal”

 

Proibido frequentar discotecas


Proibido ver filmes de terror


Proibido usar saia curta


Proibido usar uma blusa transparente

 

Proibido o homem pintar o cabelo

 

Proibido usar barba

 

Proibido ter tatuagens

 

Proibido usar qualquer tipo de cabelo comprido (se for do sexo masculino)


Proibido usar brinco (homem)

 

Proibido o uso de piercing

 

Proibido fumar


Proibido ser cantor/a


Proibido ser actor/a

 

Proibido ser bailarino


Proibido dar entrevista falando em nome das Testemunhas de Jeová, sem autorização dos superiores da seita

 

Proibido ter um site ou blogue para divulgar a doutrina Jeovista

 

Proibido visitar sites ou blogues de outras religiões, ou qualquer um que conteste os ensinamentos Jeovistas (pelos vistos, este é um deles!)

{#emotions_dlg.batman}


deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 06.07.11 às 17:30link do post | | | favorito

 

Quando afirmamos a uma Testemunha de Jeová que o seu movimento religioso é uma seita, a mesma além de não concordar (o que até me parece normal visto a manipulação mental exercida sobre ela), fica irritada, agindo de forma pouco racional. Muitas vezes nem sequer sabe qual a definição da palavra “seita” e o único argumento que encontra (e parece ser o único que aprendeu), é que não são uma seita porque tão simplesmente não seguem a homens e seus mandamentos…

 

Ora o "Dicionário Priberam da Língua Portuguesa" dá a seguinte definição da palavra seita:

"(latim secta, -ae, caminho, linha de conduta, princípios, escola filosófica)

Grupo que segue uma doutrina que deriva ou diverge de uma religião".

 

De onde surgiram as Testemunhas de Jeová?


O movimento religioso começou na cidade de Allegheny, Pensilvânia, Estados Unidos da América, por volta de 1870. O seu criador chamava-se Charles Taze Russell, um comerciante, nascido naquela cidade a 16 de Fevereiro de 1852. Ele foi criado como Presbiteriano, mas afiliou-se à Igreja Congregacional. Desapontado com as religiões, perdeu a sua fé na Bíblia. Uma noite, em 1869, assistiu a um culto numa Igreja Adventista e recuperou a fé.  Formou um  grupo independente de estudo e, em 1877, associou-se a Nelson Barbour, um Segundo Adventista, com o qual passou a produzir publicações, separando-se dele (por divergências de ponto de vista) cerca de dois anos depois.  Em 1879, começou a publicar a revista WatchTower, a qual, mais tarde, se tornaria  a conhecida “A Sentinela”. O Pastor Russell, entre outras coisas, era adepto de piramidologia, simpatizante da maçonaria e extraiu alguns de seus conceitos da astrologia e dos cálculos de um inglês chamado John Acquila Brown , sobre o “fim do mundo”. Ele escreveu diversos livros durante a sua vida, nenhum dos quais é hoje publicado. Os seguidores do Pastor Russell chamavam-se inicialmente ‘Estudantes da Bíblia’, tendo adquirido o nome “Testemunhas de Jeová” apenas a partir de 1931. Estudiosos de religião consideram o movimento “Testemunhas de Jeová” como derivado do Segundo Adventismo e do ‘Millerismo’ do século 19.

(Fonte: Testemunhas de Jeová – Proclamadores do Reino de Deus  (1993), cap. 5 e Apocalypse Delayed – M. J. Penton (1985), parte I)

 

Russell foi criado na Igreja Presbiteriana, depois filiou-se na Igreja Congregacional, e, finalmente, restaurou a sua fé com os Adventistas, "sob a orientação de Deus", nas próprias palavras dele. É bem inteligível que os inicialmente Estudantes da Bíblia (agora Testemunhas de Jeová), foram uma facção de outros grupos religiosos.

 

O que dizer então sobre o raciocínio das Testemunhas de Jeová que as mesmas não seguem a homens?


A liderança das Testemunhas de Jeová é garantida a partir da sua Sede, fundada em Brooklyn, Nova Iorque nos Estados Unidos da América. A designação legal da mesma é a “Watch Tower Bible and Tract Society of Pennsylvania”, em Português: “Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados da Pensilvânia” ou tão simplesmente como os fiéis lhe chamam: “a Sociedade”. As Testemunhas de Jeová são dirigidas por um grupo de pouco mais de meia dúzia de homens, que se apelidam de “Corpo Governante” (não existe na bíblia tal termo). Esse órgão central de homens é responsável pelas actividades mundiais das Testemunhas de Jeová em redor do mundo inteiro. Eles auto-intitulam-se de “Escravo Fiel e Discreto”, também professam ser “orientados por Deus” e dizem ser “Divinamente inspirados”.

 

O livro “Poderá Viver para sempre num Paraíso na Terra” página 195, diz o seguinte:

“A organização visível de Deus hoje também recebe orientação e direcção teocráticas.

 

"A Sentinela” de 1 de Janeiro 1974“ também menciona: (…)

“Só a Organização de Jeová em toda a Terra é dirigida pelo Espírito Santo. Ela é a única para a qual a Palavra Sagrada de Deus, a Bíblia, não é um lacrado, a única Organização na Terra que compreende as “coisas profundas de Deus.

 

Todos os ensinamentos da seita são criados por este conjunto de pessoas e todas as suas inúmeras leis internas são costuradas por eles, tendo o Corpo Governante o poder de comandar a vida e o destino de cerca de 7 milhões de fiéis. Nenhuma Testemunha de Jeová tem o direito de duvidar das doutrinas criadas por este grupo, sobe pena de ser expulsa da seita. A obediência total e incondicional é uma obrigação. Todos os membros seguem o Corpo Governante cegamente por acreditarem que tais doutrinas veêm directamente de Jeová.

 

“A Sentinela” de 1 de Fevereiro de 1940 (em inglês), diz o seguinte sobre essa matéria:

 “Nós resolvemos obedecer todos as instruções da Torre de Vigia,sabendo que tal procede dos altos poderes de Jeová Deus e Jesus Cristo. Nós resolvemos ser completamente obedientes a Sociedade como parte visível da grande teocracia".

 

Seguem as Testemunhas de Jeová a homens? A resposta é demasiado óbvia para ser respondida!

Mas sobre serem ou não uma seita, vou deixar que a Sociedade Torre de Vigia responda a essa pergunta através das suas próprias publicações…

 

“A Sentinela” de 15 de Fevereiro de 1994 p. 4 sobe o tema: “O que são seitas?”

 “As seitas são interpretadas como grupos religiosos dotados de conceitos e práticas radicais que se chocam com o que é hoje aceite como comportamento social normal (...) Os membros de seitas muitas vezes se isolam dos amigos, da família e até da sociedade em geral. Dá-se isso com as Testemunhas de Jeová” (…)?

 

“A Sentinela” de 15 de Dezembro de 1981 p. 19 “Como encarar a desassociação”

(...)“Os que se tornam ‘não dos nossos’ por deliberadamente rejeitarem a fé e as crenças das Testemunhas de Jeová devem ser encarados e tratados apropriadamente como aqueles que foram desassociados por causa duma transgressão” (...)

 

“A Sentinela” de 4 de Janeiro de 1983 p. 31,32 na secção “Perguntas dos Leitores”

(...)”Outra espécie de falta pode ser sentida pelos avós cristãos leais, cujos filhos foram desassociados. Talvez se tenham acostumado a visitar os filhos regularmente, dando-lhes oportunidade de se deleitarem com os netos. Agora os pais foram desassociados por rejeitarem as normas e os modos de proceder de Jeová. De maneira que as coisas não são mais as mesmas na família. Naturalmente, os avós terão de decidir se alguns assuntos familiares necessários exigem contato limitado com os filhos desassociados. E poderão fazer, às vezes, que os netos os visitem”.

 

“Nosso Ministério do Reino” de Agosto de 2002 (Pequeno Jornal interno de acesso restrito e exclusivo para os membros baptizados)

 (...) "Evitamos também o convívio social com quem foi expulso. Isso significa que não vamos com ele a piqueniques, festas, jogos, compras, ao cinema, nem tomamos refeições com ele, quer em casa quer num restaurante.
A Sentinela de 15 de Dezembro de 1981, na página 21, diz: “Um simples ‘Oi’ dito a alguém pode ser o primeiro passo para uma conversa ou mesmo para amizade. Queremos dar este primeiro passo com alguém desassociado?


(...) Fica por conta dos membros da família decidir até que ponto o parente desassociado precisa ser incluído quando tomam as refeições ou cuidam de outras actividades domésticas. Mesmo assim, devem evitar dar a impressão aos irmãos com quem se associam de que nada mudou depois da desassociação.


(...) Depois de ouvir um discurso numa assembleia de circuito, um irmão e sua irmã carnal se deram conta de que precisavam mudar o modo como tratavam a mãe, que morava em outro lugar e havia sido desassociada seis anos antes. Logo depois da assembleia, o irmão ligou para a mãe e, depois de reafirmar seu amor por ela, explicou que não falaria mais com ela, a não ser que um assunto familiar importante exigisse esse contacto.


(...) Se o marido for desassociado, a esposa e os filhos não se sentirão à vontade se ele dirigir um estudo bíblico familiar ou liderar na leitura da Bíblia e na oração. Se ele quiser proferir tal oração, como numa refeição, tem o direito de fazer isso na sua própria casa. Mas eles poderão fazer calados as suas próprias orações a Deus".


“Nosso Ministério do Reino” de Março de 1971 p. 2 
(...) “Se alguns continuarem uma associação que não é absolutamente necessária com o membro da família desassociado, que mora fora do lar, a comissão deverá amorosamente ajudá-los...Desrespeito persistente à instrução da Bíblia de ‘cessar de manter convivência’ com tal pessoa pode levar à desassociação”.

 

"A Sentinela" de 15 de Março de 1986 p. 18 “Não dê margem ao Diabo!”

Alguns dos que têm atitude crítica afirmam que a organização de Jeová é estrita demais na questão de cortar os contactos sociais com pessoas desassociadas. (2 João 10, 11) Mas, por que acham isso tais críticos? Será que têm vínculos familiares íntimos ou uma lealdade errónea a um amigo, que eles colocam à frente da lealdade a Jeová, e às Suas normas e aos Seus requisitos?”

 

“A Sentinela” de 15 de Janeiro de 1971 p. 63 “Perguntas dos Leitores”
(...) “Precisamos manter claramente destacado o fato de que não poder o desassociado gozar da companhia dos seus parentes cristãos não é culpa destes, como se o negligenciassem. (...) os cristãos fiéis têm a obrigação de manter de pé a acção de desassociação por evitarem a associação com o desassociado. Se este for parente que não mora na mesma casa, procurarão não ter associação nenhuma com ele”.

 

No livro “Proclamadores” cap. 13 p. 183 “Somos reconhecidos pela nossa conduta”
“A partir de 1961, quem quer que desconsiderasse esse requisito divino, aceitando transfusão de sangue, e manifestasse uma atitude impenitente seria desassociado da congregação das Testemunhas de Jeová”.

 

“A Sentinela” de 15 de Fevereiro de 1984 p. 4 “O que são seitas?” 
“Seita é um grupo ou movimento que demonstra excessiva devoção a uma pessoa ou ideia...
Sua devoção a um autoproclamado líder humano é provavelmente incondicional e exclusiva. Com frequência, tais líderes se jactam de terem sido divinamente escolhidos”.

 

“A Sentinela” de 15 de Março de 1998 p. 10-11 “Escravos de homens ou servos de Deus?”
Definiu-se “seita” como “grupo que adere a uma doutrina distintiva ou a um líder”. De forma similar, os pertencentes a um “culto” têm “muita devoção a uma pessoa, a uma ideia ou a uma coisa”.

 

“A Sentinela” de 15 de Agosto de 1981 p. 19 “Precisamos de ajuda para entender a Bíblia?”
“Uma vez que verificamos qual o instrumento que Deus usa como seu “escravo” para distribuir o alimento espiritual ao seu povo, Jeová certamente não se agradará se recebermos este alimento como se pudesse conter algo prejudicial. Devemos ter confiança no instrumento que Deus usa. Na sede de Brooklyn, donde emanam as publicações bíblicas das Testemunhas de Jeová, há mais anciãos cristãos maduros, tanto do “restante” como das “outras ovelhas”, do que em qualquer outra parte da terra.”

 

“A Sentinela”83 de 15 de Julho de 1983 p. 27 “Armados para a luta contra espíritos iníquos”
“Podemos realmente passar sem a orientação da organização de Deus? Não, não podemos.”

 

“A Sentinela” de 15 de Março de 1996 p. 16-17 “Como passar na prova da lealdade”

“Passamos agora a tratar do assunto de se ser leal à organização visível de Jeová. Nós certamente devemos lealdade a ela, inclusive ao "escravo fiel e discreto", por meio de quem a congregação cristã é alimentada espiritualmente. (Mateus 24:45-47) Suponhamos que apareça nas publicações da Torre de Vigia algo que não entendemos ou com que não concordamos no momento. O que faremos? Ficar ofendidos e abandonar a organização? Isto foi o que alguns fizeram... De modo que a lealdade inclui esperar até que o escravo fiel e discreto publique entendimento adicional.”

 

“A Sentinela” de 15 de Fevereiro de 1994 p. 7 “São as Testemunhas de Jeová uma seita?”
“É precisamente devido a essa estreita aderência aos ensinos bíblicos que não se encontra entre as Testemunhas de Jeová a veneração e a idolatria de líderes humanos, tão características das seitas hoje em dia. Elas rejeitam a ideia duma distinção entre uma classe clerical e outra leiga.” A mesma “Sentinela” diz o seguinte na página 2: “Sabe-se que os líderes de seitas utilizam métodos manipuladores para controlar a mente de seus seguidores. Há qualquer evidência de que as Testemunhas de Jeová fazem isso?

 

Depois dos textos supra citados, podemos afirmar que não existe qualquer tipo de coerência nas publicações da Torre de Vigia. Por todos os factos evidenciados, as Testemunhas de Jeová são realmente uma seita. Vivem num mundo aparte, afastando-se da sociedade em geral, regem-se com leis próprias e todos aqueles que não seguirem à risca as suas doutrinas, estão condenados à expulsão, sujeitando-se assim a severas consequências. Para mim, não será difícil afirmar que além de serem uma seita, as Testemunhas de Jeová (inconscientemente) tornam-se perigosas para elas próprias e para quem as rodeia…

{#emotions_dlg.batman} 


deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 18.06.11 às 23:34link do post | | | favorito

 

Num dos muitos congressos das Testemunhas de Jeová a ser realizado pelo mundo fora neste verão, os responsáveis pela seita afirmam ser grave o problema da poluição do planeta, mas, para eles, o que acabará mesmo com a Terra será a “imoralidade sexual”, além da maldade e do derramamento de sangue. 

 

Essa informação faz parte de documentos supostamente confidenciais que caíram na internet por intermédio de fiéis dissidentes (aqueles que maldosamente chamam de “apóstatas”). Esses documentos estão disponíveis para download no site 4Shared.

 

O resumo desse discurso destaca que “os cientistas têm dado alertas a respeito dos problemas ambientais causados pelo homem, mas Jeová Deus identifica os motivos principais porque a Terra está a ser arruinada”, estando ligados à decadência moral verificada nos últimos anos. “Não se trata de contaminação ambiental, da terra, do mar e do ar, [porque] o que está a arruinar a terra é a maldade das pessoas, a violência e a imoralidade sexual”, diz esse mesmo discurso, citando Géneses 6:5.


Há ali profecias apocalípticas (“Cristo virá em breve”). Também é dado recomendações para se evitar Satanás e os seus seguidores: os “perigosos” apóstatas. As Testemunhas de Jeová devem tentar evitar a Internet em geral, mas nunca entrar em sítios onde manifestamente as ideias sejam contrárias aos pensamentos Jeovistas. As redes sociais não são um lugar frequentável. A dissertação contém regras de comportamento moral, como se vestir, agir, etc. Afirma-se em tais documentos, que a Organização das Testemunhas de Jeová, é “a única religião verdadeira”.


Sobre as Ex Testemunhas de Jeová existe uma advertência: eles são inimigos por estarem a serviço do diabo. “Por meio de raciocínios falsos, os apóstatas procuram causar a ruína espiritual dos servos de Jeová.”

É bem visível em tais documentos a abominação por todos aqueles que já pertenceram à seita, mas que por um ou outro motivo deixaram de fazer parte dessa organização.

 

É obviamente fácil reconhecer em tais discursos, com todas as suas “amorosas” advertências, técnicas de manipulação mental, onde reina o medo e é infundido de uma maneira repetitiva e constante, as mesmas mensagens.


Como já disse varias vezes aqui, por trás daquela aparência de pessoas cordiais e amorosas, escondesse por vezes Seres bem diferentes, que foram moldados pelas doutrinas Jeovistas e que farão tudo para tentar cativar futuros fiéis.

 

  {#emotions_dlg.batman}


deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 23.04.11 às 00:36link do post | | | favorito

 

Hereges adoradores do chocolate, a Páscoa é um óptimo pretexto para se empanturrarem de ovos!

 

 Curiosamente, as pessoas mais e mais esquecem-se da simbologia cristã da Páscoa, a qual vai se tornando uma festa consumista, como o Natal. Parece que, da mesma maneira que o Cristianismo usurpou aos pagãos a sua festa, o consumismo capitalista faz o mesmo ao Cristianismo. Doce ironia…

 

Leitores do Talho e outros crentes em geral (!), boa Páscoa a todos e cuidado, eu estou de olho em vocês (principalmente os devotos)…

{#emotions_dlg.batman}

sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 16.04.11 às 19:57link do post | | | favorito

Tenho certeza que aparecerá pelo menos um “religioso” a dizer: “Não podemos generalizar”…


Não podemos generalizar? Enquanto segues um Padre banhado a Ouro como se fosse um “deus”, há crianças morrendo á fome. Enquanto ouves um Pastor fingir que conhece “deus” e assim sugar o teu dinheiro, há famílias inteiras andando pelas ruas sobrevivendo do lixo. Isso serve para todas as religiões e crenças que se gabam das suas riquezas e tem a coragem de pregar a humildade.


É fácil andar pelas ruas e virar o rosto fingindo não ver uma criança pedindo uma moedinha para comprar um pão, ou um mendigo doente e com frio, pedindo algum dinheiro para comprar uma dose de vinho para se embriagar e esquecer o sofrimento e humilhação que passa todos os dias.


Onde está deus (ou se preferirem Deus)? Está em casa dos bonitinhos, cheirosinhos e limpinhos, enquanto os famintos, miseráveis e humilhados estão assim por que “merecem”…


DEUS NÃO EXISTE.  

 

{#emotions_dlg.batman}

 

sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 31.03.11 às 02:00link do post | | | favorito

 

 

Hoje ao abrir a minha caixa de e-mail, deparei-me com uma “linda” mensagem que me deixou a pensar…  Fiquei contente em saber que os anjos existem e que podem muito bem ser os meus amigos (alguns são uns anjinhos, mas isso é outra história!) mas sem a parte que caracteriza essa espécie divina: as asas! Estou deveras feliz por me comunicarem que amanhã, precisamente as 11:09 (porque não as 11h10? Não sei, coisas de anjo, que não tem mais que fazer e gosta de ser mesquinho ao ponto de até implicar com os minutos!), algo "maravilhoso" me irá acontecer. Mais fascinado fiquei ao saber que deus (o mail não diz qual) tem estado atento às minhas lutas e que brevemente as mesmas irão chegar ao fim… E esta, heim!? Será que me vai sair o Euro-milhões (o que eu acho pouco provável porque não jogo)? É que para eu deixar de lutar, a casa tem de estar paga, os meus filhos deixarem de comer, não precisar de roupa para vestir, ter electricidade de borla, água gratuita, ser sócio da Galp, etc etc… Basicamente, deixar de viver! Portanto ou é o Euro- milhões, ou não estou a ver um milagre a ocorrer… Quanto ao resto do conteúdo do e-mail, não vou comentar, porque pérolas destas não merecem comentários! Mas ainda há aqueles crentes que enviam os mesmos para toda a sua lista, na esperança, sei lá, de uma vida melhor! E o que acontece? Nada. Mas aqui fica:

 


Anjo da Guarda

“Repasse esta mensagem no mesmo dia que a receber. Pode parecer ridículo, mas faça-o. Acreditamos  que algo está para acontecer. Os anjos existem. Só que às vezes eles não  tem asas e você os chama de "amigos". Você é um deles!
Algo maravilhoso vai acontecer a você e aos seus amigos!
Amanhã às 11:09 h da manhã  alguém vai te escrever e te dizer algo que você está esperando  ouvir.
Deus tem visto suas  Lutas 
Deus diz que elas estão chegando ao fim 
Uma bênção está vindo em sua direcção 
Se você crê em Deus, por favor envie esta mensagem para 20 amigos 
Dentro de 4 minutos te darão uma  notícia.”



Quero aproveitar para deixar uma pequena mensagem a esse deus que parece que está preocupado comigo:

 Senhor Deus (até ponho maiúscula para veres que não estou a brincar), preocupa-te em fazeres o Teu trabalho, ou seja NADA, e deixa que eu desenrasco-me bem sem ti… Se porventura quiseres finalmente dar um ar da Tua graça, olha cá para baixo e verás que tens muito que fazer e que muitos estão a padecer injustamente… Não te peço grandes manifestações ao estilo “7 pragas do Egipto”, nem nenhum daqueles milagres que tanto gostas de te vangloriar na bíblia, fazendo de ti um Deus Poderoso… Como Tu bem deves saber (já que pareces ler os nossos pensamentos), eu como mero humano imperfeito, faço muito melhor do que Tu. Pelo menos EU tento fazer TUDO para proporcionar felicidade aos meus filhos, procuro protegê-los de qualquer mal, e NUNCA os abandonaria por motivo algum. Sabes porquê ó Deus “Todo-Poderoso”? Porque os amo (ao contrario de Ti). Se amasses a Tua criação (os Teus filhos), não permitirias todo o sofrimento que muitos humanos atravessam… No mínimo, do alto da Tua “grandiosa bondade”, olhavas para as crianças, esses Seres indefesos, e não consentias as incontáveis crueldades infligidas às mesmas (algumas em Teu nome…). Bem sei que irás dizer que estamos a pagar por Adão e Eva terem pecado e por te terem desobedecido. E agora pergunto-te: quantos milhares de anos serão ainda precisos para que finalmente vejas que talvez tenha chegado a hora de por um fim a todo esta dor que Tu mesmo criaste? Teremos nós humanos, culpa alguma de que um homem e uma mulher, há milhares de anos atrás te tenham desrespeitado? Tu que és dono de uma sabedoria infindável, aliás, Tu és A Sabedoria, Tu que vês tudo e prevês o futuro (Isaías 46: 9 e 10), não sabias desde o início que a Tua criação Te decepcionaria? Como ainda foste capaz de os criar sabendo todo o caos que 2 humanos iriam gerar? Como Ser perfeito, não conseguiste encontrar outra solução a não ser o sofrimento para toda a humanidade? Se realmente existisses, não passarias de um Ser cruel e bárbaro… Ainda não consigo perceber como há quem Te venere, mas já se sabe como é o homem… imperfeito e ingénuo. Mesmo com todos os seus defeitos, ainda acredito na única espécie capaz de fazer alguma coisa por nós: nós mesmos.

 

sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 24.03.11 às 15:46link do post | | | favorito

 

 

Hoje ao navegar na Net, encontrei por acaso um texto (de autor desconhecido), sobre a tão falada “Geração à rasca”. Por diversas vezes no Facebook, em blogues ou em diversos fóruns de discussão, tive a oportunidade de exprimir qual a minha posição sobre esta auto­ denominada “geração que parece estar à rasca”. Muitos compreenderam os meus argumentos, enquanto outros tão simplesmente limitaram-se a atacar a minha pessoa ao invés das minhas ideias (ataque ad-hominem)…

 

Sou apartidário e pouco me interessa a política, mas tenho verificado que todos os políticos existem apenas para uma única razão: a ânsia de poder. É claro que existirão algumas excepções, mas como sempre, as excepções são raras! Depois de devidamente acomodados no trono político, pouco interessam as promessas eleitorais, muito menos o povo… Agem como senhorios deste país, achando-se no direito de comandar os destinos de toda uma nação, sempre sobre a cobertura de que foi a plebe que os nomeou... Da minha parte, o melhor que terei a fazer nas próximas eleições, será votar num partido que nunca tivesse estado no poder nos últimos 30 anos.

 

Quanto ao texto em si, revela na íntegra qual a minha posição sobre esta geração que está tudo menos à rasca (mais uma vez, haverá algumas excepções) …

 

Fica então aqui o tão famoso texto!


 

"Existe uma geração à rasca? Existe mais do que uma! Certamente!

Está à rasca a geração dos pais que educaram os seus meninos numa abastança caprichosa, protegendo-os de dificuldades e escondendo-lhes as agruras da vida.

Está à rasca a geração dos filhos que nunca foram ensinados a lidar com frustrações.

A ironia de tudo isto é que os jovens que agora se dizem (e também estão) à rasca são os que mais tiveram tudo.

Nunca nenhuma geração foi, como esta, tão privilegiada na sua infância e na sua adolescência. E nunca a sociedade exigiu tão pouco aos seus jovens como lhes tem sido exigido nos últimos anos.

Deslumbradas com a melhoria significativa das condições de vida, a minha geração e as seguintes (actualmente entre os 30 e os 50 anos) vingaram-se das dificuldades em que foram criadas, no antes ou no pós 1974, e quiseram dar aos seus filhos o melhor.

Ansiosos por sublimar as suas próprias frustrações, os pais investiram nos seus descendentes: proporcionaram-lhes os estudos que fazem deles a geração mais qualificada de sempre (já lá vamos...), mas também lhes deram uma vida desafogada, mimos e mordomias, entradas nos locais de diversão, cartas de condução e 1º automóvel, depósitos de combustível cheios, dinheiro no bolso para que nada lhes faltasse. Mesmo quando as expectativas de primeiro emprego saíram goradas, a família continuou presente, a garantir aos filhos cama, mesa e roupa lavada.

Durante anos, acreditaram estes pais e estas mães estar a fazer o melhor; o dinheiro ia chegando para comprar (quase) tudo, quantas vezes em substituição de princípios e de uma educação para a qual não havia tempo, já que ele era todo para o trabalho, garante do ordenado com que se compra (quase) tudo. E éramos (quase) todos felizes.

Depois, veio a crise, o aumento do custo de vida, o desemprego,... A vaquinha emagreceu, feneceu, secou.

Foi então que os pais ficaram à rasca.

Os pais à rasca não vão a um concerto, mas os seus rebentos enchem Pavilhões Atlânticos e festivais de música e bares e discotecas onde não se entra à borla nem se consome fiado.

Os pais à rasca deixaram de ir ao restaurante, para poderem continuar a pagar restaurante aos filhos, num país onde uma festa de aniversário de adolescente que se preza é no restaurante e vedada a pais.

São pais que contam os cêntimos para pagar à rasca as contas da água e da luz e do resto, e que abdicam dos seus pequenos prazeres para que os filhos não prescindam da internet de banda larga a alta velocidade, nem dos qualquercoisaphones ou pads, sempre de última geração.

São estes pais mesmo à rasca, que já não aguentam, que começam a ter de dizer "não". É um "não" que nunca ensinaram os filhos a ouvir, e que por isso eles não suportam, nem compreendem, porque eles têm direitos, porque eles têm necessidades, porque eles têm expectativas, porque lhes disseram que eles são muito bons e eles querem, e querem, querem o que já ninguém lhes pode dar!

A sociedade colhe assim hoje os frutos do que semeou durante pelo menos duas décadas.

Eis agora uma geração de pais impotentes e frustrados.

Eis agora uma geração jovem altamente qualificada, que andou muito por escolas e universidades mas que estudou pouco e que aprendeu e sabe na proporção do que estudou. Uma geração que colecciona diplomas com que o país lhes alimenta o ego insuflado, mas que são uma ilusão, pois correspondem a pouco conhecimento teórico e a duvidosa capacidade operacional.

Eis uma geração que vai a toda a parte, mas que não sabe estar em sítio nenhum. Uma geração que tem acesso a informação sem que isso signifique que é informada; uma geração dotada de trôpegas competências de leitura e interpretação da realidade em que se insere.

Eis uma geração habituada a comunicar por abreviaturas e frustrada por não poder abreviar do mesmo modo o caminho para o sucesso. Uma geração que deseja saltar as etapas da ascensão social à mesma velocidade que queimou etapas de crescimento. Uma geração que distingue mal a diferença entre emprego e trabalho, ambicionando mais aquele do que este, num tempo em que nem um nem outro abundam.

Eis uma geração que, de repente, se apercebeu que não manda no mundo como mandou nos pais e que agora quer ditar regras à sociedade como as foi ditando à escola, alarvemente e sem maneiras.

Eis uma geração tão habituada ao muito e ao supérfluo que o pouco não lhe chega e o acessório se lhe tornou indispensável.

Eis uma geração consumista, insaciável e completamente desorientada.

Eis uma geração preparadinha para ser arrastada, para servir de montada a quem é exímio na arte de cavalgar demagogicamente sobre o desespero alheio.

Há talento e cultura e capacidade e competência e solidariedade e inteligência nesta geração?

Claro que há. Conheço uns bons e valentes punhados de exemplos!

Os jovens que detêm estas capacidades/características não encaixam no retrato colectivo, pouco se identificam com os seus contemporâneos, e nem são esses que se queixam assim (embora estejam à rasca, como todos nós).

Chego a ter a impressão de que, se alguns jovens mais inflamados pudessem, atirariam ao tapete os seus contemporâneos que trabalham bem, os que são empreendedores, os que conseguem bons resultados académicos, porque, que inveja! que chatice!, são betinhos, cromos que só estorvam os outros (como se viu no último Prós e Contras) e, oh, injustiça!, já estão a ser capazes de abarbatar bons ordenados e a subir na vida.

E nós, os mais velhos, estaremos em vias de ser caçados à entrada dos nossos locais de trabalho, para deixarmos livres os invejados lugares a que alguns acham ter direito e que pelos vistos - e a acreditar no que ultimamente ouvimos de algumas almas - ocupamos injusta, imerecida e indevidamente?!

Novos e velhos, todos estão à rasca.

Apesar do tom desta minha prosa, o que eu tenho mesmo é pena destes jovens.

Tudo o que atrás escrevi serve apenas para demonstrar a minha firme convicção de que a culpa não é deles.

A culpa de tudo isto é nossa, que não soubemos formar nem educar, nem fazer melhor, mas é uma culpa que morre solteira, porque é de todos, e a sociedade não consegue, não quer, não pode assumi-la.

Curiosamente, não é desta culpa maior que os jovens agora nos acusam. Haverá mais triste prova do nosso falhanço?

Pode ser que tudo isto não passe de alarmismo, de um exagero meu, de uma generalização injusta.

Pode ser que nada/ninguém seja assim."


 

sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 29.01.11 às 01:12link do post | | | favorito

Porque estar permanentemente a escrever sobre assuntos mais ou menos sérios (dependendo da expectativa de cada um), não é vida (!), achei que um pouco de descontracção, não faria mal a ninguém...

 

Religiosos, crentes e afins, deliciai-vos com estas lindas imagens de conotação erótica a roçar o pornográfico...  Não tenhais medo de sucumbir às tentações da carne, porque na verdade se deus (o vosso senhor) criou a mulher, foi com certeza para deleite de todos nós, homens...


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 23.01.11 às 19:43link do post | | | favorito

 

 

 

“O ridículo é a única arma que pode ser utilizada contra proposições ininteligíveis. As ideias devem ser nítidas antes de a razão poder agir com base nelas, e nenhum homem alguma vez teve uma ideia nítida acerca do que seja a trindade”  Thomas Jefferson.

 

Pensando nestas palavras, perguntei-me afinal quantos deuses fazem parte da “misteriosa” Santíssima trindade. Temos então um deus em três partes, ou um, três em um!? A Enciclopédia Católica esclareceu-me essa questão, o que constitui uma obra-prima de raciocínio teológico apurado:


"Na unidade do Divino existem três Pessoas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, sendo todas verdadeiramente distintas umas das outras. Assim sendo, e nas palavras do credo atanasiano: “O Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus, e no entanto não existem três Deuses, mas sim um Deus.”

 

E se isso não fosse suficientemente claro, a mesma enciclopédia cita São Gregório, teólogo do século III:

 

"Nada existe, portanto, na Trindade que seja criado, nada que seja sujeito a outrem: nem existe nada que seja acrescentado como se não tivesse existido anteriormente, mas antes houvesse sido introduzido mais tarde: por isso, o Pai nunca foi sem o Filho, nem o Filho sem o Espírito Santo: e esta mesma Santíssima Trindade é imutável e para sempre inalterável."

 

Sejam quais foram os milagres que valeram o cognome a São Gregório, não foram com certeza milagres de pura lucidez...


sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 21.01.11 às 22:42link do post | | | favorito

 

 

Mesmo submersa em denúncias de pedofilia que ocorrem em vários países contra sacerdotes, a Igreja Católica sente-se moralmente autorizada a criticar Silvio Berlusconi por seus supostos crimes sexuais. Aos 74 anos, o milionário e primeiro-ministro italiano está sendo acusado de ter sexo com menores de idade em troca de dinheiro (resumindo, um pedófilo com requinte!).

 

Embora centenas de sacerdotes sejam acusados de crimes mais grave, como violação de crianças e adolescentes, Tarcisio Bertone, Cardeal italiano e secretário de Estado do Vaticano, advertiu indirectamente Berlusconi.

 

"A igreja pede e chama a todos, especialmente os que detêm uma posição de responsabilidade pública, a se comprometerem com uma moral mais robusta, um senso de justiça e legalidade", disse o Cardeal.

 

O Vaticano também é suspeito de não ter “moral robusta”, porque há acusações de que encobriu sistematicamente sacerdotes pedófilos. A acusação mais recente dá conta que o Vaticano enviou aos bispos irlandeses em 1997 cartas expressando “fortes reservas” em relação à decisão deles de tornar obrigatória a denúncia à polícia de padres suspeitos de pedofilia...

 

O Vaticano nega que se referiu aos crimes de pedofilia e Berlusconi nega ter comprado sexo a uma adolescente.


Tudo isto faz-me lembrar uma denominação religiosa que também ela proclama alto e bom som uma elevada moral, condenando a pedofilia e rejeitando a mesma. Isto é em teoria…

 

Entre as Testemunhas de Jeová quando casos de pedofilia ocorrem, os responsáveis pelo “rebanho” são orientados as esconder tais práticas das autoridades, deixando o assunto “nas mãos de Jeová”, tudo para não manchar o bom nome “do povo escolhido de deus”… Decididamente, as religiões são todas iguais: olha para o que eu digo, mas não olhes para o que eu faço.

 

É tutti bonna gente.



deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 03.01.11 às 20:48link do post | | | favorito


 

Um movimento cristão norte-americano anunciou o 'fim do mundo' para 21 de Maio próximo, um ano e meio mais cedo do que a data 'prevista' pelo calendário maia: 21 de Dezembro de 2012

 

Centenas de norte-americanos ligados ao movimento cristão Family Radio Worldwide iniciaram nos últimos dias uma campanha internacional para anunciar que o «fim do mundo» chega a 21 de Maio de 2011.

 

De acordo com a Associated Press, o grupo baseia-se na interpretação que o líder, Harold Camping, antigo engenheiro civil de 89 anos, faz de várias passagens da Bíblia e de acontecimentos da história recente. A fundação do Estado de Israel, em 1948, é um dos factos apontados por Camping para afirmar que o dia do juízo final está próximo.

 

«Sem margem de dúvida, 21 de Maio é a data», garante Camping, que prevê para esse dia a subida aos céus das boas almas: «As restantes pessoas vão permanecer na Terra e vão passar por um período de tormento, até ao fim dos tempos».

 

Nos Estados Unidos, vários cartazes a anunciar a data apareceram recentemente em cidades como Bridgeport, no Connecticut, e Little Rock, no Arcansas. O movimento, que tem percorrido o país em caravanas automóveis e propagado a teoria pela rádio e pela internet, afirma que vai estender a campanha a África e à América Latina.

 

A maioria dos cultos cristãos, incluíndo a Igreja Católica, defende que «só Deus conhece o dia e a hora» do juízo final, condenando qualquer previsão sobre o fim dos tempos. No entanto, a ideia de uma data concreta para o fim do mundo é universalmente popular. Em anos recentes, e sobretudo através da internet, o dia 21 de Dezembro de 2012 foi apontado como possível data, devido ao suposto término do calendário maia, que no entanto é desmentido por académicos da área.

Fonte Jornal Sol

 

Fiquei deveras triste e até mesmo intimidado com esta noticia! E eu que realmente pensava (!) que ainda me restavam quase dois anos de vida... Por este andar, com tantas datas anunciadas, em quem devo confiar?

 

Pessoalmente nunca ouvi falar desta seita, mas existe uma muita conhecida do grande publico que já anunciou o "fim do mundo" por diversas vezes.  Datas como 1914, 1915, 1918, 1925, 1941, 1975 e 2000, foram profetizadas pelas Testemunhas de Jeová como sendo a vinda do Armagedão. Ao que parece, falharam todas!


Já vários outros “fins do mundo” foram anunciados (ver aqui) e enquanto existir seitas que se aproveitam do medo dos seus fiéis, muitos outros serão vaticinados. Enquanto isso continuo a afirmar: se deus existisse, não teríamos medo desse tal Armagedão, pois não faria sentido uma entidade “tão amorosa” destruir a sua criação...


deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 31.12.10 às 14:43link do post | | | favorito

A todos os leitores do Talho e a Cidade, um bom ano. Aproveitem bem 2011, pois este vai ser o penúltimo das vossas vidas, já que em 2012 o mundo vai acabar!

 

A vida é muito curta e pode não ser a festa que esperávamos, mas enquanto estamos aqui, devemos aproveita-la ao máximo.

 

 

Feliz 2011

 


sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 28.12.10 às 20:48link do post | | | favorito

“Afirmo que ambos somos ateus. Apenas acredito num deus a menos que você. Quando você entender porque rejeita todos os outros deuses possíveis, entenderá por que rejeito o seu.”

Stephen Henry Roberts

 

Todos os que visitam este blogue são ateus, inclusive os que se dizem cristãos. Veja aqui os deuses em que você não acredita.

 

Porque haveria eu de acreditar no deus dos outros, quando o seu comportamento é idêntico ao meu? Agora sabem como é que me sinto em relação a sua divindade…

 

Todos somos iguais...


sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 23.12.10 às 01:29link do post | | | favorito

 

 

O meu Natal não terá espaço para deus, para o menino Jesus, nem para uma missa do galo. Ele é sempre (e espero que continue a ser) um período de muita paz e tranquilidade. Uma época junto daqueles que mais amo. Natal para mim é sinonimo de família e amigos... Espero que para todos vós também tenha o mesmo significado.

 

A todos, boas Festas e… Feliz Natal!


sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 14.12.10 às 18:49link do post | | | favorito

Até onde irão as revelações do Sr. Julian Assange !?

 

sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 14.12.10 às 18:24link do post | | | favorito

Liberte a sua mente, pense por si, não deixe que alguém diga o que deve ou não fazer...

 

sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 14.12.10 às 01:05link do post | | | favorito

Ao fim de um ano e poucos meses, eis que o meu blogue mereceu honras de destaque por parte da equipe do Sapo. A quem de direito, quero agradecer por ter decidido que um blogue, onde a maior parte do conteúdo é de difícil digestão para alguns, seja destacado!  Quero também retribuir esta espécie de recompensa a todos os meus leitores, especialmente aqueles que desde a primeira hora estiveram presentes.

 

A todos muito obrigado.

 

sinto-me:

deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 12.12.10 às 19:47link do post | | | favorito

Sempre fui ensinado a acreditar em algo superior a nós, numa divindade suprema que zela pelo bem de toda a humanidade.

Todo e qualquer Ser humano deveria ter algum tipo de crença, no mínimo admitir a existência de um qualquer deus, fosse ele de que confissão fosse... Depois (infelizmente muito depois), verifiquei que acreditar num Ser Todo-poderoso, além de não fazer sentido, não fazia de mim melhor pessoa...

 

sinto-me:

mais sobre mim
Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


pesquisar
 
PlanetaPortugues: O motor de busca de Portugal
nº de visitas da freguesia
encerramos ao Domingo
quantos fregueses andam por aqui agora
tradutor
subscrever feeds


.

Assista ao documentário

"O Mundo Perfeito de Jeová"

clicando em baixo