deixar comentário
publicado por Justiceiro, em 15.11.09 às 23:05link do post | | | favorito

       Anos 80! A expressão tem sido utilizada para estabelecer a ligação a um dos mais marcantes períodos da (já) história recente. O período que mediou entre 1980 e 1989, e que habitualmente é designado desta forma, foi uma verdadeira montanha russa de emoções.
De acordo com os reguladores e burocratas de hoje, todos nós que nascemos nos anos 70 e princípios de 80, não devíamos ter sobrevivido até hoje, porque: as nossas caminhas de bebé eram pintadas com cores bonitas, em tinta à base de chumbo que nós muitas vezes lambíamos e mordíamos. Não tínhamos frascos de medicamentos com tampas "à prova de crianças", ou fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas. Quando andávamos de bicicleta, não usávamos capacetes. Quando éramos pequenos viajávamos em carros sem cintos e airbags, viajar à frente era um bónus. Bebíamos água da mangueira do jardim e não das garrafas ditas “esterilizadas” e sabia bem. Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos gasosa com açúcar, mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora. Partilhávamos garrafas e copos com os amigos e nunca morremos disso. Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentos e depois andávamos a grande velocidade pelo monte abaixo, para só depois nos lembrarmos que nos esquecemos de montar uns travões. Depois de acabarmos no meio das silvas aprendíamos… Saíamos de casa de manhã e brincávamos o dia todo, desde que estivéssemos em casa antes de escurecer. E os nossos animais de estimação? Nada de rações. Comiam a mesma comida que nós (muitas vezes os restos), e sem nenhum problema. Banho quente? Champô? Nada disso! No quintal, um segurava o cão e o outro com a mangueira (água fria) ia esfregando com sabão (em barra) de lavar roupa! Algum cão morreu (ou adoeceu) por causa disso? Não! Estávamos incontactáveis e ninguém se importava com isso. Não tínhamos PlayStation, X Box. Nada de 100 canais de televisão, filmes de vídeo, home cinema, telemóveis, computadores, DVD, Chat na Internet: tínhamos amigos, se os quiséssemos encontrar, íamos à rua. Jogávamos ao elástico e à barra. A bola, essa, até doía! Caíamos das árvores, cortávamo-nos, e até partíamos ossos mas sempre sem processos em tribunal. Havia lutas com punhos mas sem sermos processados. Batíamos às portas de vizinhos e fugíamos e tínhamos mesmo medo de sermos apanhados. Íamos a pé para casa dos amigos e para a escola, não esperávamos que a mamã ou o papá nos levassem. Criávamos jogos com paus e bolas. Se infringíssemos a lei era impensável os nossos pais nos safarem. Eles estavam do lado da lei! Esta geração produziu os melhores inventores e desenrascados de sempre. Os últimos 50 anos têm sido uma explosão de inovação e ideias novas. Tínhamos liberdade, fracassos, sucessos e responsabilidades e aprendia-mos a lidar com tudo. Na escola havia bons e maus alunos. Uns passavam e outros reprovavam. Ninguém ia por isso a um psicólogo ou psicoterapeuta. Não havia a “moda“ dos “superdotados“ nem se falava em dislexia, problemas de concentração, hiperactividade. Quem não passava, simplesmente repetia de ano e tentava de novo no ano seguinte. A maioria dos estudantes que estão hoje nas universidades nasceu em 1986. Chamam-se jovens! Nunca ouviram "We are the World" e Uptown Girl conhecem de Westlife e não de Billy Joel. Nunca ouviram falar de Rick Astley, Bananarama ou Belinda Carlisle. Para eles sempre houve uma Alemanha e um Vietname. A Sida sempre existiu. Os CD's sempre existiram. O Michael Jackson sempre foi (era!) branco. Para eles o John Travolta sempre foi redondo e não conseguem imaginar que aquele gordo fosse um dia um deus da dança. Acreditam que Missão Ímpossível e Anjos de Charlie são filmes “do ano passado”. Não conseguem imaginar a vida sem computadores. Não acreditam que houve televisão a preto e branco.

Será que nós, os dessa geração, estamos a ficar velhos??? Façam este pequeno teste:

1. Entende o que está escrito acima e sorri?
2. Precisa de dormir mais depois de uma noitada?
3. Os seus amigos estão casados ou a casar?
4. Surpreende-se ao ver crianças tão à vontade com computadores?
5. Abana a cabeça ao ver adolescentes com telemóveis?
6. Lembra-se da Gabriela (a primeira vez)?
7. Encontra amigos e fala dos bons velhos tempos?

Se a resposta for positiva, é porque está a ficar realmente velho!

Viva os anos 80!!!

 

tags:
sinto-me:

amulherdotalhante a 17 de Novembro de 2009 às 16:01
Tens toda a razão, eu como um belo exemplo dessa gerção revejo-me em tudo o que escreveste. Lembro-me de andar a brincar com os meus primos durante as INTERMINÁVEIS férias de verão, em que os passtentos favoritos eram dar banhos de mangueira às galinhas porque "coitadas devem estar cheias de calor", trepávamos à laranjeira do quintal e içávamos a mais nova com uma corda, construíamos cabanas com tábuas cheias de pregos (sujeitos a furarmos um olho!!!), andávamos descalços o dia todo, bebiamos água do poço e chegavamos ao final do dia tão encerdidos que era preciso ficar de molho na banheira para tirar a terra toda do corpo...
Bons tempos, agora os putos acham que o fiambre nasce no supermercado e que o frango no churrasco nunca na vida pôde já ter sido uma galinha...
VIVAM OS COTAS

mais sobre mim
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13
14

16
18
19
21

23
25
26
27
28

29
30


pesquisar
 
PlanetaPortugues: O motor de busca de Portugal
nº de visitas da freguesia
encerramos ao Domingo
quantos fregueses andam por aqui agora
tradutor


.

Assista ao documentário

"O Mundo Perfeito de Jeová"

clicando em baixo